ENSCER

Login
Entrar em Contato
Ver Meus Contatos

O Cérebro - Um breve relato de sua função

Capítulo VII - Memória e Aprendizado - Armazenando dados e descobrindo relações

Um papel fundamental do cérebro é observar o mundo através de seus sistemas sensoriais, para descobrir relações entre os fatos observados, que possam ser úteis para melhor adaptar o animal ao ambiente em que vive. O fatos registrados pelos sistemas sensoriais serão chamados aqui de dados. As relações identificadas entre os dados observados, serão denominadas informações. O armazenamento de dados é a função básica da memória. O aprendizado é o responsável pela descoberta das relações que definem as informações de utilidade para o animal.

Naturalmente, a separação conceitual entre dado e informação não é sempre bem caracterizada.

Assim, aprende-se que existe uma relação definida de dados sensoriais que caracterizam um dado animal, objeto, etc.: por exemplo um cachorro, um carro, etc. Aprende-se, portanto, a definir esses objetos, animais, etc. A partir daí, pode-se analisar relações mais complexas e realizar novos aprendizados que envolvam transações entre esses objetos, animais, etc. Quando as relações de interesse envolvem observações em tempos diferentes, é necessário armazenar os dados ou fatos relevantes, para análise posterior. É necessário, portanto, armazenar esses dados na memória. No momento adequado, recupera-se o dado para análise de possíveis relações. Isto é, para a possível identificação de uma outra informação de interesse que envolva o dado armazenado e o observado.

Relações entre dados primários caracterizam entes (animais, objetos, etc.) mais primitivos. Relações entre esses entes caracterizam informações de maior complexidade. E assim por diante. Desta maneira, partimos de dados primitivos e criamos uma hierarquia de conceitos cada vez mais abstratos. Essa hierarquia encontra seu correlato na distribuição das informações sensoriais a partir das áreas sensoriais primárias, para as áreas sensoriais secundárias e finalmente para as áreas de associação parietais, frontais, etc.

:: ENSCER - Ensinando o Cérebro :: 2018 ::